ADRIANE GALISTEU

Adriane Galisteu tem alguma coisa de princesa de conto de fadas e, assim, é natural que a gente sempre a encontre a bordo de numeroso entourage

 

Por Vivi Mascaro

 

Além de apresentadora, Galisteu também é empresária. Ela Está lançando uma segunda coleção de bolsas de couro e é sócia do empresário Marco Raduan num curso de inglês por internet

É UM DOS MUITOS ITENS EM QUE A GALISTEU SE SUPERA. Está sempre arrastando um permanente cordão de assessores que, sei lá, nem senador deve ter. Fora que a mãe, dona Emma, também é uma companhia tão presente que amigos mais chegados brincaram com o Alexandre Iódice às vésperas do casamento dos dois, em 2010, que ele teria de levar a sogra para a lua de mel.

Outro quesito no qual a gente adivinha que a Adriane excede é na sua agenda beauté. Custei a me encaixar na correria dela. “Estou tão sem tempo que nem a mão eu tenho feito”, me disse. Resignei-me a falar com ela enquanto ela se entregava, numa segunda-feira, às mágicas técnicas do hair stylist Marco Antonio Di Biaggi. “Leva cinco horas”, me avisou um assessor. “É uma loucura.” Olha que tenho amigas vaidosas. Mas cinco horas eu jamais tinha imaginado. O resultado, a gente sabe, compensa.

Enquanto falava comigo, ela ganhava uma massagem na raiz do cabelo, carregava no colo o filho, Vittorio, de um ano e meio, revezava-se ao telefone – por melhor que fosse a barreira de proteção feita pelo seu staff. Galisteu parece não conhecer o sentido da palavra cansaço nem da palavra preguiça. Naquela manhã, ela já tinha se entregue a uma longa reunião com o diretor artístico da Band, Hélio Vargas. Nela, Adriane tratou de dar os retoques naquilo que ela chama de “meu presente de Natal”: um novo programa, diário, às tardes, de uma hora (entre às 16h e 17h), que vai estrear no dia 9 de janeiro e deve se chamar, salvo mudança de última hora, Muito Mais Galisteu.

(Todo mundo que a conhece bem sabe que Adriane é das poucas pessoas do mundo que preferem estar trabalhando do que desocupada – mesmo quando, como é o caso dela, estar fora do ar não signifique deixar de receber seu salário.)

“Tive de mudar todas as minhas férias”, conta ela, “Mas estou superfeliz. Sou uma pessoa de agarrar as oportunidades.” Nunca teve medo de desafios, e olha que desafios é que não lhe faltaram na vida, da morte súbita de seu namorado Ayrton Senna a cinco penosos anos sob o tacão de um patrão ciclotímico, Silvio Santos – que a cobriu de elogios e de dinheiro e depois a colocou inexplicavelmente na geladeira. Foram tempos de sofrimento agudo e Adriane chegou a pensar em botar sua vendetta em livro. Mas ela não é de guardar rancor. Deixou para SS o nobre gesto de sua indiferença.

Lá vão de novo a Galisteu, o marido, o filho, a mãe, a família Iódice e, claro, parte da comitiva para as já tradicionais férias em Miami e na Disney (mesmo antes do nascimento do Vittorio, o Mickey e a Minnie eram os companheiros de férias dela). Vai abreviar, volta no dia 7 e mergulha no programa. “Vou convidar alguns colunistas, falar de moda, do social, de casa e decoração”, antecipa para Status. Ela é um bicho de palco. Há 16 anos que é. De uma espontaneidade explosiva que não se acanha quando acende aquela intimidadora luzinha da câmera, na Rede TV!, na Record, no SBT. Há dois anos, na Band. Por duas vezes, entrou na mira do canal GNT (leia-se, Globo). Queriam que ela fizesse parte da bancada do Saia justa. Ela se animou toda. Mas os patrões têm essa mania de querer a Galisteu só para eles.

Muito Mais Galisteu entra na grade da Band para durar os dois meses de férias: janeiro e fevereiro. Depois, a emissora vê o que fazer dele. De todo modo, Adriane torce para que o Projeto Fashion, que ela apresentou, também volte ao ar. “Ele está em 14 países, é natural que o Brasil, país fashion por vocação, seja mais um deles.” O projeto é um dos que a Band tem em parceria com a Eyeworks Cuatro Cabezas.

Moda, além de tudo, dá dinheiro e Galisteu, que teve infância modesta, de classe média remediada, mostra-se um talento também nessa seara. Está lançando uma segunda coleção de bolsas de couro. É sócia do empresário Marco Raduan num curso de inglês por internet, o www.talkfast.com.br – que atende a todos os níveis e por preços camaradas entre R$ 49 e R$ 79. Assina uma coluna semanal, às quartas-feiras, sobre coisas de mulher, no jornal gratuito Metro – do Grupo Band. E, incansável, ainda encontra tempo para sonhar com outra paixão, o teatro. Está lendo o texto Mulher de outro mundo, que vai virar espetáculo, logo, logo.

“Tenho de ficar esperta, muito esperta mesmo, senão fico sem ver o Vittorio, fico sem ver o Alexandre.” O marido – que com o pai, Waldemar Iódice, dirige a grife que leva o nome da família – é do tipo de “sair de casa às 8 da manhã e voltar às 8 da noite”, diz Adriane, com um tímido tom de reprimenda. Mas ela própria logo se corrige: num campeonatinho de quem é mais workaholic, ninguém ganha dela; 2012, portanto, vem aí com a nova versão de Galisteu – uma metamorfose permanente.