JEFF BRIDGES

Ator carismático, músico talentoso, pai de família, budista… o protagonista do cultuado O Grande Lebowski é realmente uma figuraça

 

Jeffrey Leon Bridges é daqueles caras que nascem com o destino traçado. O destino, no caso, é o de ser um dos mais importantes atores de sua geração. E músico talentoso. E um sujeito muito gente boa. Filho dos também atores Dorothy e Lloyd Bridges, praticamente veio ao mundo em um set de filmagens – sua estreia diante das câmeras se deu aos quatro meses de idade e, ainda criança, participou de diversos episódios da série televisiva estrelada por seu pai.

Não tardou para conseguir papéis de destaque em produções grandiosas, como King Kong (1976) e Tron – uma odisseia eletrônica (1982). Ele voltou a encarnar o gênio da programação de jogos eletrônicos no ano passado, com a sequência blockbuster Tron – o legado. Mas nenhum papel de sua extensa filmografia de mais de 75 produções lhe caiu melhor do que o de “The Dude” (o cara, em tradução livre), o protagonista de O Grande Lebowski (1998). No longa, Bridges é Jeffrey Lebowski, um dos mais cativantes “losers” da história do cinema, que só quer saber de jogar boliche com os amigos e relaxar na banheira. O maior reconhecimento de seu talento, porém, só ocorreu em 2010, quando levou o Oscar de melhor ator por Coração louco, no qual interpreta um astro da música country que luta contra o alcoolismo.

A música, por sinal, é outra de suas paixões. No ano passado, lançou um elogiado disco com canções de sua própria autoria. Casado desde 1977 com Susan, pai de três mulheres e avô de Grace, o ator de 62 anos converteuse há alguns anos ao budismo – medita uma hora por dia – e divide seu tempo entre sua cidade natal, Los Angeles, e seu rancho em Montana, onde cria cavalos.

Mais figuraça impossível.