PARECE MILAGRE

O kite-surfista polonês Maciek Kozerski, um dos melhores do mundo, cismou que poderia correr sobre a água, sem truques. E conseguiu

Por Fabrícia Peixoto

 

FORAM QUATRO dias de tentativas, com um total de 50 quedas. E fez-se o milagre: Maciek Kozerski, 26 anos, conseguiu a façanha de caminhar sobre a água, como teria feito Jesus Cristo, há quase dois mil anos. Mas, ao contrário do precursor divino, esse kite-surfista polonês, um dos melhores do mundo, não foi levado por uma motivação mística, mas sim pelo puro e mais básico instinto esportivo. “Eu simplesmente quis superar esse desafio”, resume ele à Status. A ideia começou a martelar há alguns anos, durante a prática do kite-surf. Como o esporte permite que o atleta deslize sobre a água em alta velocidade, sobre uma prancha, Kozerski ficou obcecado com a ideia de sair de cima da ferramenta de trabalho e correr literalmente com as próprias pernas. Nada que parecesse com a brincadeira conhecida como Jesus walk (caminhada de Jesus), comum entre os kite-surfistas, que consiste em tirar a prancha dos pés, caminhar por no máximo dois segundos, e colocá-la de volta. “Eu sabia que teria de ir além desse truque”, diz ele.

Em alta velocidade e com o vento ideal, Kozerski moveu-se por cerca de cinco segundos, absorvendo todo o impacto da água diretamente nos pés. Segundo o professor de física da USP Cláudio Furukawa, um sujeito tem de correr, no mínimo, a 60 km/h para não afundar. “O princípio é o mesmo da pedra que sai quicando quando arremessada na água”, diz.

O conceito da caminhada de Kozerski é o mesmo da pedra que, arremessada sobre a água, sai quicando na superfície até finalmente submergir. “A diferença é que, como não sou pedra, cada batida na água dói bastante”, brinca o esportista. O treino para andar sobre a água envolveu, em uma primeira fase, a prática intensa do Jesus walk. Depois de inúmeras repetições, Kozerski avançou para uma fase mais difícil: deslizar sobre a água numa espécie de shape de skate, prática conhecida como skatewalk. “Isso já faz uma diferença incrível, pois, enquanto no kite-surf seus pés ficam presos à prancha, no skatewalk os pés estão soltos”, conta. O grau de dificuldade do treino foi aumentando até que Kozerski passou a tirar o shape dos pés. A partir daí, já era possível dar alguns passos sobre a água, mas ainda sem consistência. Ciente da lei da física, Kozerski sabia que, para não mergulhar, era preciso correr em alta velocidade.“Ficou claro quanto aquilo iria exigir, não apenas das minhas pernas, mas também do lado aeróbio”, diz o polonês, que tem um preparo fora do comum, resultado da prática diária de esportes que incluem, além do kite-surf, corrida e mergulho.

O “milagre”, como o projeto foi batizado, durou cerca de cinco segundos e aconteceu no mar da Galileia, exatamente onde Jesus teria caminhado sobre as águas. Parece pouco tempo, mas, considerando o preparo físico de Kozerski e o apoio de uma equipe com cinco pessoas, fica difícil imaginar outros mortais correndo sobre a água por mais tempo que isso. Segundo o professor Cláudio Furukawa, do Instituto de Física da USP, diversas experiências demonstram que, para “correr” sobre a água, o sujeito precisa estar a, pelo menos, 60 km/h. “E, considerando que o atleta está sem a prancha, ele deve ter absorvido um impacto razoável nos pés”, explica. O próprio Kozerski admite que não seria fácil repetir a dose. “Não é porque fiz uma vez que poderei fazer tudo de novo com facilidade. Não é como andar de bicicleta”, diz ele. “Além disso, qual seria o sentido de continuar caminhando sobre a água? Esse desafio eu já superei”, diz. E quais seriam os novos planos, então? “Ainda não sei, mas, certamente, algo que ainda não foi feito.”