UM RETRATO DE SASHA GREY

A ex-estrela pornô americana é cantora, escritora, DJ, atriz em Hollywood e um dos maiores ícones sexuais deste século

 

Por Bruno Weis
Fotos Autumn Sonnichsen

 

NÃO HÁ LIMITES para Marina Ann Hantzis, o nome de batismo de Sasha Grey, atriz, cantora, escritora e ícone sexual do século XXI. Ex-atriz pornô, Sasha retirou-se da indústria de filmes adultos no ano passado. Assim como suas performances na cama, nas quais sadomasoquismo e outras práticas nada ortodoxas viraram marcas registradas, sua nova carreira profissional navega por diversas correntes artísticas: hoje Sasha filma em Hollywood, é modelo, escritora, cantora e, por tudo isso, musa de uma geração. Tudo isso com apenas 24 anos de idade. Mas, afinal, qual o segredo de Sasha Grey?

A fotógrafa Autumn Sonnichsen, autora das fotos deste ensaio – publicadas pela primeira vez no Brasil – arrisca uma resposta. “Sasha virou um ícone porque não se encaixa no padrão de atriz pornô. Ela é bonita, mas isso tem de monte na indústria. Ela é inteligente, culta, tem uma magia que encanta. E tem uma atitude ‘foda-se’ que é um charme”, descreve. “Ela é diferente e muito disposta. Tem uma cara meiga, é morena e tem um corpo aparentemente frágil. Mas topa tudo e encara as cenas de sexo como uma atleta.”

Assim como Sasha, Autumn nasceu na Califórnia. Hoje vive entre São Paulo, Europa e sua terra natal, e lembra bem do encontro com a musa que, justo havia completado 18 anos, ingressara no mundo dos filmes adultos. “Eu tenho um amigo em comum com ela que é ator pornô em Los Angeles. Eu lhe disse que queria fotografar uma garota daquele meio e ele me apresentou Sasha. Isso foi em 2006, ela tinha acabado de começar sua carreira.” Logo em sua primeira cena a ninfeta disse a que veio. Durante uma orgia, pediu que o garanhão Rocco Siffredi lhe desse um soco no estômago. O resto é história.

Daquele encontro na casa da atriz nas colinas de San Fernando Valley, Autumn se recorda de conhecer uma menina divertida e de ótimo papo, que se expressava com clareza e demonstrava bom gosto. “Saquei de imediato que era uma garota de personalidade, que ouvia música e lia muito.” As fotos que ilustram estas páginas são fruto daquele encontro entre a ainda iniciante Sasha Grey e nossa colaboradora.

Musa alternativa
No auge de sua carreira como atriz pornô, quando colecionava prêmios por seus desempenhos diante das câmeras, Sasha foi alçada a musa alternativa nos Estados Unidos e começava a abrir caminho como atriz em Hollywood. Virou queridinha de fotógrafos como Richard Kern e Terry Richardson e participou de produções independentes, entre filmes e séries de televisão. “O curioso é que Sasha simplesmente mudou de vale”, observa Cleonice Comino, produtora de cinema. “Pulou do vale de San Fernando, que é o polo da indústria dos filmes adultos de Los Angeles, para Hollywood. E boa parte dos profissionais de cinema transita mesmo pelos dois universos”, diz ela, que foi a produtora executiva do documentário 9to5, investigando exatamente os bastidores da indústria de filmes pornográficos, lançado em 2008, quando conheceu e ficou amiga de Sasha. “Ela é uma menina doce, inteligente e linda. Merece todo o sucesso.”

Sua maior conquista até agora na maior indústria de entretenimento do planeta se deu ainda em 2009, quando Sasha foi escolhida pelo premiado diretor Steven Soderbergh (de Traffic e Onze homens e um segredo) para protagonizar Confissões de uma garota de programa. Soderbergh disse depois que havia elegido Sasha a partir de uma entrevista que ela havia dado sobre a indústria pornográfica. O diretor ficara impressionado com as opiniões nada comuns da jovem estrela. Pediu, como preparação para o papel em sua produção, que Sasha assistisse a filmes do francês Jean-Luc Godard, pai da nouvelle vague. Ganhou força, a partir daí, a definição de Sasha como “estrela existencialista” da indústria pornô.

Em entrevista à revista norte-americana Vice, Sasha negou o rótulo. “Nunca disse que era uma atriz pornô existencialista. Mas nunca fui uma atriz pornô convencional, que fica gastando todo o seu dinheiro em roupas e vai trabalhar totalmente alheia à cena e ao que está rolando no set. Eu presto atenção total a tudo a minha volta, quero absorver e aprender o máximo. Até mesmo nos dias ruins, quando a energia não flui, busco tirar algo daquela experiência para meu crescimento.”

Em fevereiro do ano passado Sasha anunciou em seu perfil no Facebook que estava se aposentando dos filmes pornográficos. Milhares de fãs lamentaram, mas Sasha parecia resoluta em sua decisão. Como grande desfecho, lançou no mês seguinte seu primeiro livro Neu Sex, uma compilação de fotos da intimidade da atriz e visões da própria Sasha sobre sua vida entre sets de filmagem, estradas, festas e hotéis. Ao mesmo tempo a atriz continuou requisitada por grandes nomes do show biz. Participou de videoclipes do rapper Eminem e da banda Smashing Pumpkins e investiu na própria carreira musical, com sua banda de rock industrial, aTelecine. A banda se apresenta pela primeira vez ao vivo em um festival na Polônia em outubro.

De quebra, Sasha se apresenta regularmente como DJ em casas noturnas tanto dos Estados Unidos como do Canadá. No cinema, está escalada para atuar na cinebiografia de Linda Lovelace, a atriz do clássico da pornografia “Garganta Profunda”, com lançamento previsto para 2013, entre outras produções. Seja onde e como for, vamos ainda ver e ouvir muito a respeito de Sasha Grey. E só podemos agradecer por isso.

Em Los Angelles, Autumn Sonnichsen foca a beleza incomum da atriz americana, descendente de imigrantes gregos e poloneses

 

SASHA POR SASHA

Paixão pelo cinema
“Me interesso por filmes desde os 9 anos de idade. Mas minha mãe sempre dizia que não era preciso ver um filme mais de uma vez. Só que há uma diferença entre filmes e cinema. E muita gente não vê essa diferença”

Descoberta da pornografia
“Durante a faculdade, quando não estava trabalhando, ficava em casa e assistia a pornô. Mas minha ideia de sexo era um pouco diferente, e eu achava até nojento. Fui a última da minha turma a perder a virgindade, tinha 16 anos e meio”

Reação da família
“Minha mãe veio me visitar duas semanas depois de eu me mudar para Los Angeles. Contei que estava fazendo pornô. Ela me olhou friamente, com distância. Minha irmã começou a rir”

Visão sobre o pornô
“O que fazia era arte performática. Em cena somos exigidos como atletas e precisamos estar bem fisicamente e também mentalmente para atingir algum equilíbrio”

Sadomasoquismo
“Antes mesmo de entrar para a indústria eu já curtia. Me dá um barato. Então foi bastante natural procurar isso nos filmes também. É como uma droga, não dá para largar e o prazer é total”

Corpo
“Eu amo minha vagina, se Deus existe ele me abençoou com isso”

Futuro
“Estou num momento de redescobrir o sexo, agora sem câmeras por perto. E preciso provar que minha carreira não se trata de ter sorte. Quero provar que posso ir muito além disso”

 

A MUSA EM NÚMEROS

  

Sasha Grey nasceu há 24 anos na Califórnia, EUA
Começou a atuar como atriz pornô aos 18 anos
Em seis anos de carreira na indústria de filmes adultos, Sasha participou de 270 produções
Suas atuações como atriz pornô lhe renderam 14 premiações
A atriz participou de 12 produções em Hollywood