POR DENTRO DAS UPPS

O documentário 5X Pacificação, que estreia em 16 de novembro, é um belo raio x das favelas cariocas após a implantação das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs)

 

Por Tom Cardoso

 

O filme é dirigido por quatro jovens diretores saídos diretamente dos morros cariocas, capitaneados por Cacá Diegues, produtor do documentário e de Cinco vezes favela – Agora por nós mesmos, dirigido pela mesma turma. A coluna conversou com Cadu Barcellos, um dos diretores.

Você dirigiu o episódio “Morro”. Qual é o ponto de vista de quem mora em uma comunidade pacificada? É uma visão mais crítica ou mais otimista?
Ouvi desde depoimentos otimistas e esperançosos a críticas severas e pesadas. Mas o que todos têm em comum é um desejo de mudança e a expectativa de que com as UPPs outras transformações aconteçam. Que a favela deixe de ser um caso de polícia e seja percebida como um caso de política pública, porque isso beneficiará todo o Rio e todos os cariocas.

Qual sua opinião sobre Tropa de elite 1 e 2?
Como cineasta, vejo os dois Tropa de elite como filmes revolucionários na história cinematográfica brasileira, pelo seu público e pela sua estética e forma de abordagem. Como morador de favela, tenho algumas ressalvas, principalmente sobre o primeiro, que legitima a violência policial. Já o Tropa 2 levanta questões muito mais contemporâneas e interessantes.

 

O delinquente

São 78 assinaturas no livro negro, 12 suspensões e uma expulsão. O comediante e apresentador Danilo Gentili orgulha-se de seu passado escolar, tanto que já escreveu um livro sobre ele: Como se tornar o pior aluno da escola. O livro, acredite, vai virar filme. A Clube Filmes comprou os direitos de adaptação para o cinema. Pode ser um bom negócio. Comédias sem conteúdo têm arrastado multidões ao cinema.

 

O meio-irmão de Elvis
Enquanto a viúva de Elvis, Priscilla Presley, viaja pelo mundo exibindo meias, telefones e carros do Rei do Rock, a produtora BiteSize Entertainment prepara um filme sobre o convívio de Elvis com seu meio-irmão David E. Stanley. Com o título de Growing up Graceland, o longa irá contar a relação de 17 anos entre os dois. Stanley se mudou com a família de Presley para Graceland quando tinha apenas 4 anos e, com o tempo, tornou-se um das poucas pessoas a quem o cantor contava os seus segredos.

Osama vive. Nas telas
Steven Spielberg bateu o martelo. Vai adaptar para o cinema o polêmico livro No easy day: the firsthand account of the mission that killed Osama Bin Laden (Um dia nada fácil: o primeiro relato da missão que matou Osama Bin Laden). O livro, escrito por um membro do comando militar que matou o terrorista, que assina sob o pseudônimo de Mark Owen, contesta a versão oficial e diz que o chefe da Al-Qaeda já tinha sofrido um disparo na cabeça quando os americanos entraram em seu quarto.

 

DVD
Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios

A parceria entre o cineasta Beto Brant e o escritor Marçal Aquino já rendeu filmes interessantes – impossível negar a qualidade de
O invasor, de 2001. Aquino escreve seu romance já pensando nas adaptações de Brant para o cinema. O que não é pouco. Também não é pouca a beleza estonteante de Camila Pitanga em Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios . Só ela valeria o filme, que não se resume apenas às cenas de nudez da atriz. Tem a mão leve de Brant e os diálogos de Aquino. Mais um gol de placa da dupla.