SUZANA PIRES

A Glória da novela Gabriela troca sua janela pela cama e revela as delícias de uma atriz que sabe usar tanto o corpo quanto a inteligência

 

Fotos Tiago Molinos

 

 

QUANDO WALCYR CARRASCO – responsável pela nova adaptação de Gabriela para a telinha – lhe propôs o papel de Glória, a donzela nada donzela que espreita da janela reclusa as sem-vergonhices de Ilhéus, Suzana Pires baqueou. Ela conhecia bem a personagem de Jorge Amado e reagiu: “Ela é toda muito.” “Você é também toda muito”, respondeu o autor.

O diálogo pode parecer meio cifrado, mas o que Suzana logo iria perceber, ao longo da novela, com a “teúda e manteúda” do coronel Coriolano bombando como símbolo da mulher sem censura, exsudando libido entre a cama oficial e o amante extra, é que havia, sim, uma Glória dentro dela e, aí, foi só relaxar e fazer. “Tudo o que fiz foi ir botando essa Glória para fora, pouco a pouco”, diz ela. Como lhe disse Regina Mendonça, preparadora de elenco, “tinha de tirar a tampa”.

Resultado: Suzana está adorando (as gravações vão até meados deste mês de outubro). “É uma delícia encarnar uma personagem tão sapeca.” Nua (só de tapa-sexo) numa cena caliente. Nua, toda nua, sem nenhuma inibição, à frente de beatas e devassos, na Ilhéus cenográfica do Projac. “A nudez pode ser libertadora para quem faz e também para quem assiste”, descobriu. “Pudor e timidez não somam no meu trabalho.”

A fogosa Gloria/Suzana virou um dos xodós do público, da crítica, dos colegas de novela e explodiu nas mídias sociais porque – agora, é a Suzana Pires, graduada e pós-graduada em filosofia na PUC-Rio, quem teoriza – ela é antítese de qualquer moralismo, escapa dos julgamentos, dribla os preconceitos. “Deita-se com o coronel, deita-se com o estudante, se tiver que se deitar com um terceiro, tudo bem. Ela está em paz consigo mesma.”

Uma liberdade primordial, mítica, que faz sonhar mulheres e homens, mas que, Suzana sabe, tem pouco a ver com o combate cotidiano, com as exigências do comportamento socialmente correto. “As mulheres que querem se sentir contemporâneas saíram para conquistar o mundo e no caminho podem ter perdido alguns sentimentos básicos da condição feminina.” E olhem, ela observa, que a Glória de Jorge Amado é também trabalhadora, e das mais competentes em sua especialidade, desdobrando-se nos afazeres do sexo com afeto legítimo, não importa quem lhe frequente os lençóis.

Glória é um presente repleto de pimenta e dendê para uma atriz que, desde adolescente, nunca teve plano B na vida. “Nunca quis me dividir, botei todas as fichas na carreira artística”, lembra. Suzana estudou no Colégio Pedro II, no Rio – solene reduto fundado em 1837 para forjar a elite do Império e da República Velha. Mas o que a motivava mesmo era a oportunidade de botar em cena, junto com outros jovens candidatos ao estrelato, textos que ela própria escrevia.

Estudar filosofia também nunca foi opção profissional. “Queria aproveitar a conversa da filosofia com a arte”, conta. E, assim, montou com os colegas de PUC uma adaptação do prólogo de Assim falava Zaratustra, de Nietszche, e O banquete, de Platão. “Na Filosofia, quem nasceu foi a escritora”, diz ela. Sempre voltada para o palco ou para a televisão, é claro (terminada Gabriela, ele se junta ao time de Walter Negrão para a próxima novela da seis, provisoriamente intitulada de O Caribe é aqui).

Há sete anos, Suzana Pires percorre o Brasil em turnê com o monólogo que escreveu, De perto, ela não é normal. Em cima daquela citação do Caetano Veloso? pergunto. “Do Caetano, não. Muito antes dele, a frase é do Tolstoi.” Ela é uma tremenda de uma intelectual e uma explosão de sensualidade. Dá vontade de perguntar a Suzana o que é que, no caso dela, inibiria um homem: o corpo ou a cabeça? Suponho que, citando o poeta romano Terêncio, ela vá dizer: “Nada do humano me é estranho.”

Nirlando Beirão

 

Créditos:

Edição Ariani Carneiro
Styling Maurício Mariano e Alessandro Lázaro (Abá Mgt)
Beleza Krisna Carvalho (Icon Management)

Produção de moda Luanda Jabur e Fernanda Fuini
Produção executiva Marina Felício
Assistente de foto André Santos
Tratamento de imagem Rodrigo Gonçalves | RG Imagem

Agradecimentos Objetos de cena (cadeira, cama, mesa e máquina de escrever) 11 3258-6054 | Pesca Pinheiros (mosquiteiro) 0800-774 2022 | Trifil (www.trifil.com.br) | Trousseau  (roupas de cama) 11 3083-4240