MICK JAGGER

O líder dos Rolling Stones é considerado controlador e ambicioso. Talvez exatamente por isso seja o maior responsável pelas cinco décadas de sucesso da maior banda de rock da história

 

As comemorações têm rolado em grande estilo: a turnê de 50 anos dos Rolling Stones, iniciada em novembro passado com shows pela Inglaterra e Estados Unidos, vem levando aos palcos amigos dos Stones e estrelas pop atuais, como Jeff Beck, Eric Clapton, Bruce Springsteen, Black Keys e Lady Gaga. Se você – como nós e milhares de fãs ao redor do mundo – também celebra as cinco décadas de atividade da maior banda de rock’n’roll de todos os tempos, deve um agradecimento especial a esse senhor ao lado. Sir Michael Philip Jagger, 69 anos, pai de sete filhos, é mais do que o líder, vocalista, gaitista e, ao lado de Keith Richards, compositor dos maiores hits da banda. É o cérebro do conjunto que, ao contrário de todas as previsões, abusos de drogas, brigas internas, crises de meia-idade e cansaço com o show biz, segue encarnando a legenda ano após ano com profusão de ingressos para concertos e discos vendidos – são mais de 200 milhões de unidades comercializadas, sem contar os números de Grrr!, o álbum triplo lançado no final de 2012 com os maiores sucessos do grupo e duas músicas inéditas. Dizem que o líder dos Stones – por quem muitas das mais desejadas mulheres do planeta caíram literalmente de quatro – é um sujeito maníaco por controle, antipático, ambicioso e dissimulado. Mas, sejamos sinceros, quem não gostaria de ser Mick Jagger?