NUAS NO APARTAMENTO

Ao longo de um ano, o fotógrafo Jorge Bispo usou seu apartamento, de número 302, no bairro de Botafogo, no Rio de Janeiro, como estúdio para eternizar a beleza simples – e nua – da mulher brasileira.

Por Endrigo Chiri

O projeto para o livro Apartamento 302, que reunirá fotos de 115 mulheres mais um texto de apresentação escrito por João Paulo Cuenca, está em processo de crowdfunding até dia 15 de setembro. “No início eram conhecidas que eu convidava, mas, no fim, acabou que 85% das mulheres fotografadas eu nunca tinha visto antes”, diz Bispo, que conversou com a coluna.

Como surgiu a ideia do projeto?
Sempre cliquei amigos e amigas em casa, alguns nus. Depois de um tempo, vi que existia uma unidade nos nus femininos e decidi fazer o projeto.

Por que o caminho do crowdfunding e não uma editora para produzir o livro?
O trabalho já vinha acontecendo com a participação ativa do público, seja posando ou acompanhando pelo Tumblr (apartamento302.tumblr.com). E com isso conseguimos ter liberdade de fazer
como quisermos o livro.

 

A Rua é Nossa

Cidades rebeldes (Boitempo Editorial; 112 págs.; R$ 10) é o primeiro registro em livro dos movimentos sociais que tomaram as ruas das capitais nos meses de junho e julho de 2013. Com ensaio fotográfico do coletivo Mídia NINJA e ilustrações de Laerte, Rafael Grampá, Rafael Coutinho, Fido Nesti, Bruno D’Angelo, João Montanaro e Pirikart, o livro reúne textos recentes de autores internacionais e nacionais como Slavoj Žižek, David Harvey, Mike Davis, Raquel Rolnik, Ermínia Maricato, Jorge Souto Maior, entre outros, além de um texto do pessoal do Movimento Passe Livre.

Autobiografias Sonoras

  

Somando as trajetórias musicais de Johnny Cash e Tony Iommi, guitarrista do Black Sabbath, temos mais de 90 anos de estrada e inúmeras boas histórias. Em Cash (Leya; 280 págs.; R$ 39,90), o próprio cantor relembra sua infância pobre, a relação com a família e a religião, o início da carreira, a relação com as drogas, as turnês e o salvador encontro com a cantora June Carter. Já em Iron Man – Minha jornada com o Black Sabbath (Editora Planeta; 400 págs.; R$ 39,90), Iommi passeia pelos mesmos assuntos: turnês, casamentos, drogas, brigas, mas tudo com o olhar exclusivo de único integrante da banda presente desde a formação inicial, em 1969.

O cantor Johnny Cash repassa a vida em autobiografia

 

 

 Sopa de letrinhas

Confira outros lançamentos interessantes que chegam às livrarias neste mês

 

Fernando Pessoa, O Livro das Citações, de José Paulo Cavalcanti (Record; 256 págs.; R$ 24,90)
O biógrafo de Fernando Pessoa escolheu criteriosamente os versos que compõem este livro numa gama de mais 300 temas que permeiam a obra do poeta português.

A Cidade, o Inquisidor e os Ordinários, de Carlos de Brito e Mello (Cia. das Letras; 472 págs.; R$ 49,50)
Alternando comédia, observação dos costumes e crítica social, o autor satiriza a moral e os bons costumes em um dos mais originais romances da literatura brasileira contemporânea.

Novos Contos Eróticos, de Dalton Trevisan (Record; 214 págs.; R$ 29,90)
Toda a provocação típica do autor curitibano reunida numa antologia de contos eróticos composta por 30 histórias protagonizadas pelos mais variados personagens.

Pileques, de F. Scott Fitzgerald (Cia das Letras; 112 págs.; R$ 29)
O álcool, o melhor amigo de tantos escritores, seja na alegria ou na tristeza, é o grande homenageado no livro de um dos mais brilhantes beberrões, quer dizer autores, do século XX.

Michael Jordan – A história de um campeão e o mundo que ele criou, de David Halberstam (Editora 34; 448 págs.; 64)
A biografia do maior jogador de basquete de todos os tempos ganha reedição no Brasil, escrita pelo jornalista americano ganhador de um Prêmio Pulitzer.

Juliette Society, de Sasha Grey (Leya; 236 págs.; R$ 34,90)
Para sua estreia como romancista, a ex-atriz pornô investe numa história maluca sobre um clube secreto que reúne pessoas da classe mais poderosa da sociedade para relaxar e, claro, fornicar.

 

Crumb para o Brasil

As HQs mais escandalosas do autor de quadrinho mais absurdo do mundo especialmente embaladas para o Brasil. Assim a Editora Veneta celebra os 70 anos do icônico autor americano. A antologia A mente suja de Robert Crumb (232 págs.; R$ 59,90) reúne histórias polêmicas que Crumb criou nos anos 60 como resposta à repressão e à censura que se intensificaram no universo HQ americano na década anterior. Personagens como Joe Blow, Sally Bunda Grande, Johnny Fuckerfaster, Horny Harriet Hot Pants e as mulheres abutres marcam presença nesse épico da escrotidão em edição de luxo.

 

Retrato em palavras

O segundo livro de Analu Andrigueti surgiu de um pedido estranho de um amigo que queria que ela fizesse um retrato dele usando apenas palavras, e não uma câmera fotográfica. O resultado agradou e a ideia foi aplicada a transeuntes da cidade de São Paulo. E assim nasceu 36 poses, que reúne 24 poemas públicos e 12 poemas íntimos e tem acabamento gráfico especial: o livro remete aos álbuns de fotografias analógicas tão usados num passado não muito distante.

Quanto tempo demorou para retratar o amigo que deu origem ao livro? Como foi esse processo?

A gente marcou de jantar, e ele havia pedido o retrato feito com palavras para umas quatro da tarde. Durante o trabalho eu rabisquei uns versos e terminei no restaurante, enquanto o esperava chegar.

Quantas das 36 poses do livro tem cunho erótico e como você as encaixou no meio dos demais poemas?

O livro é dividido em duas partes: “retratos públicos” e “retratos íntimos”. Na primeira parte são 24 poemas (como num filme fotográfico) baseados em anônimos que vi no metrô, no ônibus ou nas ruas de São Paulo. Depois vêm os 12 poemas eróticos, como se fosse outro filme fotográfico, e aí o clima muda, fica mais picante. Tem poemas sobre a índia de olhos turquesa, o pau do Claiton, o casal formado por um negrão e uma gringa transando na Vila Madalena, e por aí vai.