SUCESSO CEARENSE

O diretor do filme que tomou de assalto as bilheterias cearenses é muito mais do que um cineasta. 

 

Por Endrigo Chiri

 

Formado em administração com especialização em marketing, Halder Gomes é também mestre de 4o grau em tae kwon do, o que o levou ao mundo do cinema, como dublê de lutas em filmes de artes marciais nos EUA, nos anos 90. Depois de trabalhar como produtor e diretor em alguns filmes, como área Q e Bezerra de Menezes, Halder acertou um golpe certeiro. A comédia Cine Holliúdy, que chega a São Paulo e Rio de Janeiro este mês, é um fenômeno de bilheteria no Ceará. A média de público por sala supera blockbusters como Titanic e Avatar e o diretor acredita que o filme fará cerca de 200 mil espectadores só em seu Estado natal. A coluna conversou com ele.

Qual é a história do filme?
É sobre um dono de cinema, que vê sua profissão ameaçada pela chegada da tevê. O filme me traz memórias de infância, de quando vivi no interior do Ceará e era encantado com os cine-minhas mambembes.

Como escolheu Edmilson Filho para protagonista?
O personagem foi escrito para ele. O Edmilson é mestre e campeão de tae kwon do, mas sempre teve muito talento para o humor. Além disso, tem habilidades corporais raras, que fez da sua atuação algo sublime.

A ideia do filme ser falado em “cearense” vem desde o começo do projeto? 
Sim. O “cearense” beira um dialeto, e eu não queria tirar essa identidade do filme, embora soubesse que precisaria de legendas. Nossa forma de falar e expressões são muito marcantes.

Por que lançar primeiro o filme num circuito regional? Foi por dificuldade de entrar nas disputadas salas do eixo Rio/SP?
Foi uma estratégia pensada. Eu sabia que seria um grande sucesso no Ceará, e que esse fenômeno nos ajudaria a repercutir o filme sem grandes investimentos de mídia em outras praças.

 

De olhos bem abertos

Os melhores filmes em cartaz

 

Invocação do Mal

Uma casa que assombra seus atuais moradores por conta de desgraças que aconteceram no passado. O enredo é batido, mas Invocação do Mal carrega nas doses de terror e faz chorar de medo. Baseado em fatos reais, conta a história de uma família aterrorizada por fenômenos sobrenaturais na cidade de Harrisville, nos Estados Unidos.

A Família

Sob a direção de Luc Besson, Robert De Niro interpreta um mafioso americano que se muda com a família para a França por conta do programa de proteção às testemunhas. Mas, lá, ele, sua mulher (Michelle Pfeiffer) e os filhos começam a usar seus próprios métodos para resolver problemas do dia a dia com os novos vizinhos.

É o Fim

O roteiro besta e absurdo é o combustível para uma das comédias mais engraçadas do ano. O filme traz estrelas como Seth Rogen, James Franco, Emma Watson e Rihanna interpretando eles mesmos. Franco está dando uma festa em sua casa quando uma série de eventos catastróficos devastam Los Angeles. A certa altura, com o fim dos mantimentos, ele e seus amigos se veem obrigados a encarar o apocalipse zumbi que toma conta da cidade.

 

Direto do set

O diretor Philippe Barcinski volta à grande tela com o filme Entre vales

O novo longa-metragem de Philippe Barcinski começou bem. Entre vales foi o grande vencedor do 8o Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo, que aconteceu em julho na capital paulista, ficando com os prêmios do público e Itamaraty. “Como o foco para o lançamento é o circuito cinéfilo, de gente que gosta de filmes de festivais, é muito importante ganhar esse tipo de reconhecimento e visibilidade”, diz Barcinski. Com Ângelo Antonio como protagonista, o filme conta a história de um economistaque sofre perdas bruscas na vida e passa a refletir sobre sua própria existência enquanto vaga por lixões e aterros sanitários. “O Ângelo é um ator muito especial. Pensamos nele porque ele imprime com muita facilidade uma afetividade na relação de pai e filho, é uma pessoa doce, terna, mas também tem muita força, capacidade de explosão. Além de saber atuar muito bem no silêncio.”