NOVAK DJOKOVIC

O sérvio, que já foi número 1 do mundo, faturou o torneio que reúne os melhores da temporada 2013. mas seu maior troféu é a bela Jelena Ristic

 

Para o número 2 do mundo, a decisão do Torneio dos Campeões da ATP, realizado em novembro, em Londres, teve um sabor especial. Coroando uma invencibilidade (22 jogos) que dura desde quando perdeu para Rafael Nadal na final do US Open, em setembro, o sérvio Novak Djokovic, 26 anos, derrotou o espanhol líder do ranking e defendeu o título do ano passado com sucesso e se sagrou campeão da competição pela terceira vez. Como grande objetivo da próxima temporada, o sérvio colocou Roland Garros, o único grand slam que ainda não venceu.

Djokovic não cresceu num ambiente exatamente propício ao tênis. Sua Belgrado natal estava no epicentro de uma guerra civil nos anos 1990, quando ele descobriu que queria ser tenista. Ele começou a jogar aos 4 anos, e o empurrão definitivo veio quando viu Pete Sampras conquistar o torneio de Wimbledon. Seus pais, sempre presentes a seus jogos, torcendo como se estivessem numa partida de futebol, não tinham nada a ver com tênis. Viviam de um restaurante e praticavam esqui. Encontrar meios para financiar o filho foi uma jornada exaustiva para uma família de classe média da Sérvia. O pai foi à caça de patrocinadores, mas, devido à situação do país, não obteve sucesso. Em 2006, apareceu uma ideia: e se ele se naturalizasse inglês? A Associação Inglesa de Tênis teria os recursos necessários para bancar o jovem talento. Djokovic conta que a decisão de rejeitar essa ideia foi sua. Defender a Grã-   Bretranha na Taça Davis, por exemplo, não teria o mesmo sabor de jogar pela sua Sérvia. Ele acabou optando por  ficar e levou os sérvios ao título da Davis no final de 2010, no que foi uma espécie de marco zero de sua escalada. Mas todo o vínculo com seu país não o impediu de fazer as malas e ir morar com a futura esposa, a sérvia Jelena Ristic, em Mônaco, em busca de paz e impostos baixos.

JELENA RISTIC

Inicialmente ela ficou conhecida como a namorada de Djokovic, mas soube traçar seu próprio caminho e se destacar das mulheres de outros tenistas. Sérvia como o noivo, Jelena é diretora da fundação para a caridade com o nome de Djokovic (instituição criada com o objetivo de proporcionar melhores condições de vida a crianças carentes na Sérvia) e, depois de oito anos de namoro, vai se casar com Djokovic, em 2014.

DISSECANDO O TENISTA

Quando menino, ele tomou a decisão de utilizar as duas mãos para bater de esquerda, por achar que a raquete ficava menos pesada. O movimento tornou-se uma de suas melhores jogadas.

Ao longo da carreira, Djokovic sempre usou as derrotas como forma de motivação. E, desde que foi vencido por Nadal no último Roland Garros, não perdeu mais. A sequência de vitórias nos últimos meses serve de alerta para Nadal, Federer e todos os outros concorrentes aos principais títulos em 2014.