CONFRONTO DE ESTILOS

Comparamos quatro artes marciais, apresentando a história, os principais golpes e os benefícios físicos de cada luta. Escolha a melhor para você

 

Por Piti Vieira

Ilustrações André Tomá

 

Aikido

Arte marcial japonesa que propicia a seu praticante a possibilidade de um caminho ao autoconhecimento

Desenvolvido por Morihei Ueshiba (1883-1969) na primeira metade do século XX. No ideograma de aikido o “ai” significa união, o “ki”, energia, e o “dô”, o caminho para se alcançar a harmonia. Não à toa, é uma modalidade de luta na qual só há um tipo de ação: a defesa. Mesmo quando os treinamentos envolvem armas como o bastão (jo) e a espada de madeira (boken), a técnica visa o desarme do oponente, e não atacá-lo com esses objetos. “No aikido praticamos para derrotar o medo, a insegurança, a raiva e o ego. São esses os verdadeiros inimigos que nos impedem de atingir a nossa evolução natural”, diz o sensei Severino Sales, criador da Federação Brasileira de Aikido (Febrai). Na prática desenvolve-se o relaxamento, a concentração, a não resistência, a ausência de espírito de competição e do conceito de adversário, a respiração abdominal, a consciência do parceiro, buscando-se formar a ideia de complementaridade, sempre aumentando o uso do ki. “Um praticante só evolui suas técnicas a partir do momento em que desenvolve essa sensibilidade, e vice-versa”, explica Wagner Bull, presidente da Confederação Brasileira de Aikido e professor faixa-preta 6o dan.

TREINO Os treinos são suaves e os movimentos, firmes e seguros. Você aprende a cair sem se machucar, a se movimentar naturalmente e a não usar  a força física. Utilizam-se técnicas corpo a corpo em pé e sentado, boken (sabre de madeira) e jo (bastão de madeira de cerca de 1,20 m).

SEM MEDO A prática faz com que as pessoas aprendam a controlar o medo, inevitável em uma situação de ameaça. O temor descontrolado pode levá-lo  a cometer atos falhos, e essa luta trabalha com o corpo e a mente exatamente para evitar que isso aconteça.

TÉCNICA Consiste em desenvolver a sensibilidade para discernir a intenção do oponente, identificar quais são seus pontos de articulação vulneráveis e então redirecionar essa força de ataque contra o próprio adversário, que irá perder o equilíbrio e cair no chão.

SAMURAI No aikido, cultiva-se as sete virtudes do guerreiro conforme o Bushido (código dos samurais): justiça, valor heroico, compaixão, cortesia, honra, sinceridade e o sentido de dever e lealdade.

O importante não é competir

Uma das diferenças da técnica para outras artes marciais é a ausência total de competitividade. Esse é um dos fatores que fazem com que o aikido venha conquistando a adesão de um público bem eclético. Segundo o sensei (“aquele que chegou antes” ou, para o ocidental, o professor) Nereu Peplow, do Fudoshin Dojo, uma das academias mais respeitadas de Curitiba, a intenção das pessoas que frequentam os dojos é encontrar uma atividade que trabalhe o corpo e traga ao mesmo tempo autoconfiança e segurança.

Vestimenta

O quimono deve ser branco. O hakama (calça que parece uma saia e é colocada por cima da calça), que possui sete pregas, simbolizando as sete virtudes dos samurais. É aceito nas cores azulou preta, e só é usado apartir do nível de Shodan (1o dan).

Faixas

É internacionalmente utilizada uma ordem de graduação que, normalmente, começa em 5o kyu e segue até o 1o kyu (classe ou grau). Daí em diante vêm os “dans” (degraus). As graduações são concedidas avaliando-se as qualidades técnicas, o grau de afinco aos treinos e o perfil moral do praticante. O tempo mínimo necessário para realizar os exames de kyu não é menor do que um ano.

 

Caratê

A arte marcial se baseia em socos, chutes, cotoveladas, joelhadas e golpes com a palma da mão aberta

O caratê, que em japonês significa “mãos vazias”, nasceu na ilha japonesa de Okinawa, no século XVIII. Proibidos de usar armas no local, os habitantes criaram a arte marcial como forma de defesa contra o ataque de possíveis inimigos. Como a invenção funcionou, ela começou a ser praticada constantemente na região, mesmo sem a necessidade de seu uso. A expansão da modalidade começou a acontecer no início do século XX, mais precisamente em 1922, quando o mestre Gichin Funakoshi foi convidado pelo Ministério dos Esportes do Japão a conduzir apresentações de caratê na capital Tóquio. A prática agradou a muita gente e a modalidade passou a ser praticada em escolas e universidades.

No ataque

Autocontrole e Agilidade

SOKUTO KEAGE

O segredo é ser muito rápido para emplacar um chute direto no rosto antes que o opositor se defenda.

CHUDAN ZUKI

Golpe mais comum feito com as mãos. Desestabiliza o adversário e serve como movimento inicial de uma sequência.

SOKUTO KEKOMI

Série de golpes em alta velocidade com chute, seguido de rasteira e soco com o adversário no chão.

 

Na defesa

Bloqueios Eficientes

SHUTO UKE

Desvia o rosto para, então, segurar o braço esticado do oponente. A intenção é baixar a guarda do rival.

GEDAN BARAI

Para escapar de socos baixos, o antebraço pode servir para desviar a rota.

GEDAN SHOTEI UKE

Defesa coordenada com a proteção das pernas para desviar um chute.

 

AS REGRAS

O caratê competitivo é dividido em duas modalidades: kumitê e kata. O primeiro é a luta propriamente dita, na qual dois atletas se enfrentam em combates de três minutos (para homens) ou dois minutos (para mulheres). Já o kata é o exercício de ataque e defesa feito contra um adversário imaginário.

Vestimenta

Até o século XX, os japoneses treinavam com roupas comuns. De lá para cá, o quimono branco virou obrigatório, acompanhado por uma faixa que indica o nível do lutador. Nas competições oficiais, os praticantes devem usar luvas de borracha para evitar que os golpes causem lesões. Faixas Até a faixa verde o aluno estará construindo sua base técnica e teórica. Daí até a faixa marrom o aluno deverá se preparar para receber o grau de shodan. Um último teste avaliará suas habilidades e conhecimentos específicos para receber o grau Shodan e alcançar a sonhada faixa preta.

SICO É bom para o coração, fortalece ossos e músculos, cria resistência, desenvolve coordenação motora e visual, e torna o organismo menos suscetível a ferimentos e doença.

MENTE Ajuda a desenvolver paciência, disciplina, perseverança e compreensão, bem como a concentração e foco.

ESPÍRITO Constrói confiança, desenvolve e aumenta o autocontrole, a serenidade e a paz.

 

Jiu-jÍtsu

Eficiente para barrar socos e chutes, é fundamental no estilo MMA

O jiu-jítsu ou “arte suave” utiliza técnicas como golpes de alavancas, torções e pressões para derrubar e dominar um adversário, sempre com base em princípios de equilíbrio e articulação do corpo, tornando desnecessário o uso excessivo da força e de armas. Segundo historiadores, o estilo teria nascido na Índia, onde era praticado por monges budistas preocupados com a autodefesa. Com a expansão do budismo, chegou ao Japão, onde se popularizou. Desembarcou no Brasil em 1915, com o japonês Conde Koma, como era conhecido o lutador Mitsuyo Maeda, que se fixou em Belém do Pará. Lá conheceu Gastão Gracie, que levou o filho mais velho, Carlos, então com 15 anos, para aprender a lutar com o mestre japonês.

No ataque

Além de derrubar, é importante imobilizar o oponente

CHAVE DE BRAÇO VOADORA
Ideal para um lutador menor e mais fraco que o oponente. Permite usar a força do rival para imobilizá-lo, travando os braços dele.

TESOURA
O kanibasami é conhecido nas academias, mas proibido em competições pelo risco de machucar seriamente o joelho do oponente.

MATA-LEÃO
Original do jiu-jítsu japonês, mas muito usado no estilo brasileiro, o estrangulamento, quando bem aplicado, pode decidir uma luta.

 

Na defesa

Escapar de uma imobilização é crucial

ESCAPE
O primeiro passo é girar o quadril para tirar as costas do chão e ficar de lado.

DOMINE
Os braços são usados para deslocar o rival e tentar dominá-lo. As pernas travam o tronco e uma das pernas do oponente.

FINALIZE
Para funcionar, a sequência precisa ser ligeira.

 

A REGRA É CLARA

A luta, que dura de cinco a dez minutos, é conduzida por um único juiz, que fica dentro do tablado, acompanhando os lutadores. Ele é auxiliado por um cronometrista, que se posiciona em uma mesa ao fundo, e por um mesário, que atualiza o placar. A luta pode até ser vencida por quem está atrás no placar. Basta um golpe doloroso que faça o lutador bater três vezes no tatame ou no corpo do rival. “A finalidade do jiu-jítsu é fazer o adversário se render”, diz Moisés Muradi, presidente da Confederação Brasileira de Jiu-Jítsu Esportivo.

Faixas

Da branca à marrom são 5 níveis de graduação: faixa lisa e mais 4 graus, sendo de responsabilidade do professor conceder esses graus em cada uma dessas faixas. A faixa preta se subdivide em sete diferentes níveis de graduação: faixa preta lisa e mais 6 graus que serão concedidos exclusivamente pela IBJJF (Federação Internacional de Jiu-Jítsu Brasileiro). A faixa vermelha décimo grau é conferida apenas aos pioneiros: Carlos, Oswaldo, George, Gastão e Hélio, conhecidos como irmãos Gracie.

LUTA COM INTELIGÊNCIA

No jiu-jítsu, explorar erros do oponente conta mais do que usar força e velocidade.

 

Tae Kwon Do

A luta coreana valoriza a defesa pessoal e o equilíbrio entre corpo, mente e ética

 

A origem desse esporte milenar está ligada à história da Coreia. No século I a.C., a península coreana era ocupada por três reinos rivais: Goguryeo, ao norte, Silla, no sudeste, e Baekje, a oeste. Para ensinar os jovens de Goguryeo a lutar sem armas, foram criadas técnicas como o taekkyeon. Além de usar os pés com rapidez e precisão, os alunos eram instruídos em história, filosofia e esportes a cavalo. Ao longo do processo de fusão dos três reinos, finalizado no século VII, os moradores de Silla acrescentaram à arte marcial o uso das mãos como defesa. Surgia assim o tae kwon do, que significa “caminho dos pés e das mãos”. Com o início da Guerra da Coreia, nos anos 1950, o governo do sul reorganizou a luta e deu a ela sua versão moderna, que seria transformada em esporte olímpico nos Jogos de Sydney, em 2000.

No ataque

Mais fortes e longas que os braços, as pernas são fundamentais para atingir o oponente

AP CHAGI
Um dos primeiros movimentos ensinados aos iniciantes. É usado para afastar o rival quando aplicado no abdômen ou derrubá-lo acertando o queixo.

HURYEO CHAGI
Giro com o pé muito violento. O golpe, pouco usado pelos mais tradicionalistas, termina com o arco dorsal (parte de cima do pé) acertando o rosto do adversário.

 

Na defesa

Para não apanhar, é importante dominar as técnicas de bloqueio, baseadas no uso das mãos

WAE SUN PALMOK
Muito eficiente para bloquear chutes rápidos e outros ataques contra o torso. A vantagem do movimento é que ele devolve parte da força aplicada pelo rival.

NAJUNDI MAKGI
A maioria dos movimentos de defesa começa com as mãos na altura dos quadris. Isto é fundamental para impedir chutes e socos contra abdômen e pernas.

 

BENEFÍCIOS

Melhora o desempenho cardiovascular, aumentando a resistência física e ainda estimula o ganho de massa magra. Outra vantagem é que os treinos investem em exercícios de alongamentos, aumentando a flexibilidade do corpo.

Vestimenta

São três tipos de uniforme ou dobok. O mais tradicional parece um quimono. Uma jaqueta em V é adotada pela Federação Mundial. Já os adeptos da Federação Internacional usam uma jaqueta com corte vertical no centro.

Faixas

Os graus são divididos em geups e dans. Cada geup corresponde a uma faixa colorida que é amarrada na cintura. Cada dan corresponde à graduação de faixa preta que são divididas em 10, em ordem crescente. A trajetória da branca até a preta dura no mínimo quatro anos.

 

Na cara
O tae kwon do valoriza os chutes altos, no rosto do oponente. A posição da perna e, principalmente, dos pés muda a intensidade do impacto

 

OLIMPÍADA
A disciplina é uma das duas artes marciais asiáticas presentes no programa olímpico – a outra é o judô. A estreia oficial foi na edição de Sydney, em 2000.

COMPETIÇÃO
As disputas acontecem em um tatame sintético, em combates com três rounds de dois minutos cada um, com um minuto de descanso entre os rounds. Além do uniforme branco, os participantes usam protetores de cabeça e tronco, um de cada cor: vermelho e azul.

PROIBIDO
Não é permitido agarrar, socar no rosto, atingir abaixo da linha da cintura ou empurrar adversário (estas práticas fazem o lutador perder pontos).