TRATAMENTO DE CHOQUE

Entenda como funciona as Hell Houses, casas mantidas por grupos evangélicos americanos, populares nos Estados do sul e centro-oeste do país

 

 

STATUS 35 - APPROACH, LABO B

Jovem ensanguentada na sala do aborto

A ideia faz lembrar os castelos de terror típicos dos parques de diversão da década de 80.Nesse caso, porém, não há fantasmas, vampiros ou palhaços, mas sim jovens drogados à beira da morte, corpos esfacelados por acidente de carro e até mesmo meninas submetidas a aborto. Assim funcionam as chamadas Hell Houses, casas mantidas por grupos evangélicos americanos, populares nos Estados do sul e centro-oeste do país. O objetivo ali é simples: aterrorizar os jovens e, quem sabe, assim convencê-los a entrar para a igreja. O programa na Hell House é parecido com o de uma peça de teatro. Após pagar uma entrada simbólica, o espectador é guiado pelos cômodos da casa, cada um deles com uma encenação diferente. No cômodo do aborto, por exemplo, uma jovem “pecadora” grita de dor enquanto o sangue escorre por entre suas pernas. No quarto ao lado, um sujeito com máscara de caveira (e que parece simbolizar a Morte) surge ao lado de um jovem hospitalizado após abusar da cocaína. Como a maioria do elenco é composta por voluntários da própria igreja, a atuação deixa bem a desejar, conferindo ao espetáculo um ar de filme B bem ao estilo Ed Wood. Ao fim da apresentação, o diabo se dirige ao público e pergunta: “vocês querem ir para o céu ou para o inferno?” A resposta é fácil. Difícil mesmo é segurar o riso.

 

STATUS 35 - APPROACH, LABO B

Viciado em drogas ao lado da Morte

Bruxas e outros entes simulam o inferno

Bruxas e outros entes simulam o inferno

No quintal da Hell House, atores encenam acidente de carro

No quintal da Hell House, atores encenam acidente de carro