UM CHOQUE NA BOA FORMA

Desenvolvido para recuperar a musculatura de astronautas, a eletroestimulação adaptada à musculação promete melhorar os resultados da malhação. saiba como tirar proveito disso

 

Por Piti Vieira

 

STATUS 45 - CORPO E MENTE

 

Utilizar 100% das fibras musculares durante o exercício físico, fora do âmbito das fraudes químicas, é uma questão sobre a qual a ciência do esporte tem se debruçado há pelo menos quatro décadas. E os melhores resultados foram obtidos por intermédio da eletroestimulação: eletrodos colocados sobre a musculatura a ser exercitada são ligados por fios a um equipamento do tamanho de um tablet – na verdade, um computador capaz de enviar estímulos elétricos diretamente aos músculos.

Desenvolvido na Rússia no fim dos anos 1970, os dispositivos que estimulam músculos usando uma corrente elétrica entre 10Hz e 150Hz foram projetados inicialmente para acelerar a recuperação dos astronautas, que tinham os músculos atrofiados pelo longo período passado em órbita. Em uma etapa seguinte, eles passaram a ser usados por atletas de alta performance como forma de otimizar o treinamento. Há uma década, entrou no cardápio de academias de ginástica e está à disposição de quem busca um corpo sarado. A técnica evoluiu tanto que, hoje, é possível acionar até 95% das fibras musculares, de acordo com William Morales, especialista em fisiologia do exercício. Normalmente, cargas altas para treinamento de hipertrofia ativam de 80% a 90% das fibras.

A quantidade de áreas trabalhadas depende da intensidade do impulso elétrico. Quanto menor a frequência, mais fortes são os estímulos e maior será o número de fibras ativadas: vermelha ou branca, responsáveis pela resistência e pela velocidade, respectivamente. “O efeito desse tipo de corrente é uma contração muscular perfeita e completa, que faz com que as fibras sofram contração sincronizada, por estarem respondendo a um estímulo com frequência determinada e constante. Com isso, gera-se uma maior hipertrofia da musculatura selecionada, o que torna eficaz o aumento da força corporal”, diz Morales.

Numa contração voluntária, a ordem de trabalho muscular provém do cérebro, que envia um comando às fibras nervosas sob a forma de um sinal elétrico. Este sinal é transmitido às fibras musculares que se contraem. O princípio da eletroestimulação reproduz fielmente o processo envolvido numa contração voluntária. “O estimulador envia um impulso de corrente elétrica às fibras nervosas, provocando uma excitação nessas fibras. Esta excitação é transmitida às fibras musculares que dão uma resposta mecânica (contração muscular). Em outras palavras, o músculo não consegue distinguir se o comando vem do cérebro ou do estimulador”, diz Paulo Gelatti, fisiologista e personal trainer. “Quando estamos malhando, o cérebro não consegue identificar quanto peso estamos erguendo e quem deseja ter músculos tonificados precisa pegar muito peso. Mas com a eletroestimulação é possível manter o treino de um atleta e trabalhar dois tipos de contrações musculares, voluntárias e involuntárias, aumentando a intensidade do exercício sem a necessidade de pegar o peso extra”, diz Gelatti.

É bom deixar claro que inexistem milagres quanto à forma física. “A eletroestimulação é um complemento aos exercícios. Serve para potencializá-los”, diz Filippo Dutto, importador do aparelho suíço Compex, uma das marcas já presentes no mercado brasileiro. Um mesmo aparelho é programável para várias funções, dependendo das conveniências e necessidades do usuário. Há regulagens diferentes para hipertrofia, força ou resistência, entre outras possibilidades.

O treinamento possui a duração de 30 minutos e pode ser feito na academia de duas a três vezes por semana. “Mantendo o exercício físico, alimentação e descanso, é possível perder peso e medidas de forma rápida. E o melhor é que no final da sessão há um relaxamento e uma regeneração que bloqueia a formação de radicais livres decorrentes do metabolismo do exercício, um dos responsáveis por causar dor no pós-treinamento”, diz Morales.

 

VANTAGENS DO TREINAMENTO COM ELETROESTIMULAÇÃO

  • Maior recrutamento das fibras musculares, sem gerar fadiga muscular
  • Mínima solicitação das articulações e dos tendões
  • Sem cansaço cardiovascular
  • Proporciona maior rapidez nos resultados de ganho de força ou melhora da hipertrofia muscular