CARAS, BOCAS E ALGO MAIS

A estudante de design de moda Maria Cândida Lacerda está solteira, se diz uma gatinha dócil e ainda tem a mania sensual de morder os lábios

 

Fotos Alberto Prado

 

STATUS 47 - ENSAIO

Quando morde os lábios, a estudante de design de moda Maria Cândida Lacerda, 20 anos e 1,60 m de altura, não tenta disfarçar seus pensamentos ou demonstra qualquer tipo de indecisão. “É só uma mania que tenho desde pequena”, diz a mineira de Janaúba, norte do Estado. “Na verdade, transparência poderia ser meu segundo nome. Não consigo disfarçar sentimentos e sou cabeça dura com minhas opiniões e ideologias. Também não aturo injustiças. Isso pode parecer que sou um pouco brava – e a minha cara de durona engana –, mas só pareço um leão, por dentro sou uma gatinha dócil”.

Atualmente sem namorado, Maria não tem um ideal masculino. “Só exijo que me respeite como uma mulher independente. Odeio homens preconceituosos, que não sabem lidar com mulheres livres”, diz ela. “Para me conquistar, um homem precisa ser calmo e paciente comigo. Homem com voz tranquila me encanta”. Já seu prazer preferido, fora sexo, é estar na natureza.

“É o lugar onde me sinto em casa, conectada com minha verdadeira essência. Sentar na grama, olhar as árvores, dançar com o vento, nadar no rio, sentir a massagem feita pela cachoeira… Minha fantasia é fazer sexo em uma praia”.