TOP FIVE

As cinco modelos mais gatas do programa Chega Mais, da RedeTV!, bem mais à vontade do que elas aparecem na televisão

 

Fotos Jacques Dequeker Edição Ariani Carneiro Styling Juliana Rossoni Beleza Cris Biato (com produtos Revlon e Batiste) Texto Piti vieira

 

STATUS 48 - ENSAIO CAPA

Da esq. para a dir.,Carol, Nádia, Carol e Ana usam joias H.Stern | Jéssica usa joias H.Stern e anel Hector Albertazzi

 

“Selecionamos as mulheres mais bonitas do Brasil para participar”, diz Eli Hadid, dono da Mega Model Brasil, a maior agência de modelos do País, fundada em 1995. O programa é o Chega Mais, que estreou em março na RedeTV!, na guerra de audiência aos domingos, a partir das 18h30. Apresentado pela modelo Renata Kuerten, pelo ator Adriano Dória e pelo stylist Matheus Mazzafera, ao custo de R$ 175 mil por episódio, a atração também traz ao palco modelos do casting da agência. Entre elas estão as gatíssimas Ana Gequelin, Nádia Vieira, Carol Costa, Jéssica Nobre e Carol Vasconcelos, selecionadas por Status para este ensaio. “É um investimento na carreira. Vem muita gente nas redes sociais elogiar a gente”, diz Nádia Vieira.

Idealizado por Hadid (também criador do “Menina Fantástica”, exibido por três temporadas pelo Fantástico, na Rede Globo), o programa de auditório é um mix de games, histórias de vida, música e entrevistas, sem apelação, feito para a família. A fotografia é assinada por Jacques Dequeker, um dos principais nomes da moda, vencedor do International Fashion Films Awards pelo curta Jailbreak, sobre uma ladra de joias, estrelado pela top Carol Ribeiro. Dequeker confere ao programa, principalmente em quadros como “Cinderello”, uma fotografia que só se vê em séries de canais de televisão por assinatura. “É uma coisa nova, mas estou gostando e conhecendo esse mundo ainda. A resposta imediata é o que mais gosto”, diz ele.

Entre os quadros fixos do programa, o que mais agrada às modelos do nosso ensaio é o “Desafio”, em que homens e mulheres disputam provas esportivas e radicais em lugares exuberantes. “Adoro as provas radicais, ainda mais porque a maioria das modelos não tem coragem de participar. Já saltei de paraquedas e fiz drifting”, diz Carol Vasconcelos, que nunca tinha pensado em fazer TV antes de receber o convite de Hadid. Conheça mais sobre as eleitas de Status:

ANA GEQUELIN
Por fugir do padrão “loira de olhos azuis”, a paranaense de formas perfeitas, nascida em Campo Largo, é o perfil que toda alemã gostaria de ter. Por isso, o lugar que Ana, de 30 anos e 1,75 metro, mais trabalhou como modelo foi a Alemanha. “Fui miss Triumph durante quatro anos”, diz ela sobre a grife alemã de lingerie. Mas nem sempre foi assim. Ela começou aos 14 anos e participou de muitos concursos até ser chamada por Victor Sálvaro, que descobriu tops como a curitibana Isabeli Fontana. Aos 16 anos, Ana foi para o Japão e aí não parou mais. Estampou inúmeras capas de revistas, editoriais e campanhas com sensualidade na dose certa e muito estilo. Depois de viver em cidades como Paris, Tóquio e Nova York, a modelo voltou para o Brasil para realizar o antigo desejo de criar suas próprias marcas: a AG Beachwear e a Les Filles Crochê. “Ser modelo me deu a oportunidade de conhecer novos países e pessoas. Tenho muita gratidão por tudo que aprendi e vivi através dessa profissão que me mostrou o mundo”.

CAROL COSTA
Depois de participar de um concurso chamado “Dona da Capa”, do jornal Zero Hora, de Porto Alegre, a gaúcha de 28 anos foi convidada pela diretora da Ford Models para integrar o casting da agência de modelos. Desde então, Carol, hoje no casting da Mega, já morou nos EUA, Alemanha, Itália, México e Reino Unido. Formada em administração de empresas com habilitação em comércio exterior, a morena de 1,74 metro cursa atualmente uma pós-graduação em design de moda. “Enquanto minha beleza for vendável, vou continuar com a carreira de modelo, mas meu projeto para o futuro é ter uma marca de moda. Quero aliar o que aprendi na prática com o que já estudei”, diz ela.

NÁDIA VIEIRA
Morena de olhos verdes, 1,71 metro de altura, corpo escultural, 25 anos. Catarinense de Jaraguá do Sul, Nádia diz que nasceu para ser modelo. “Sempre gostei de atuar, dançar e posar desde pequena”, conta ela, que começou na profissão aos 16 anos e já morou em Portugal, na Itália e no Chile. Em 2014, porém, ligeiramente pressionada pela família, Nádia parou de modelar para fazer faculdade de psicologia em sua cidade natal. Não durou muito. “Decidi que a moda é minha vida e me mudei para São Paulo no fim do ano passado”, diz ela, que é extremamente romântica, sonhadora e ainda acredita em príncipes encantados.

CAROL VASCONCELOS
Quando tinha 20 anos, a mineira de Belo Horizonte passou por uma reviravolta na vida. Um dia, quando cursava administração na faculdade, ela ficou sabendo do concurso “Menina fantástica”, do Fantástico, da rede Globo, em que os olheiros da Mega Models avaliavam garotas com o sonho de ser a nova top model brasileira. Carol resolveu tentar e foi selecionada entre 6.400 meninas. Hoje, aos 24 anos, ela já morou em Milão, Hamburgo e Londres, e, há dois meses mudou-se para São Paulo. “Sou uma menina ainda, meio moleca. Não sou nada sensual. Nem adianta me colocar nesse papel que não rola”, diz ela. Difícil é acreditar.

JÉSSICA NOBRE
A goiana de 24 anos queria ser delegada de narcóticos e até prestou vestibular para direito, mas acabou mesmo na carreira de modelo, em que começou sete anos atrás. Jéssica já morou na China, Cingapura, Tailândia, Filipinas, Hong Kong e Turquia. “Gosto das viagens. Não consigo ficar nem um ano por aqui”, diz ela. Avessa às badalações do meio, o que ela curte fazer é ir para uma cachoeira, uma praia. “Faço hata yoga todos os dias, vou correr no parque. Adoro ficar em casa, com as minhas amigas, e assistir a filmes de ação e seriados tipo Breaking Bad. Também gosto de ler livros sobre espiritismo, já que essa é a minha religião”.