O PODER DO FLOW

O estado mental que causa uma mudança na química cerebral, aumentando o foco a ponto de fazer um atleta de elite ter um ótimo desempenho sem precisar pensar, está sendo estudado por cientistas para ser colocado na vida do cidadão comum. Entenda o conceito e saiba como fazer uso dele

 

STATUS 50 - CORPO E MENTE

Imagine ser 500% mais produtivo. O que antes costumava levar toda a semana para fazer, você consegue realizar apenas na segunda-feira. Também imagine que você está aprendendo mais rápido do que nunca. Quanto mais rápido? Entre 200% e 500%. Em seguida, adicione a tudo isso uma criatividade absurdamente amplificada e um impulso significativo em sua qualidade de vida. O segredo desta “magia” é um estado mental conhecido pelos pesquisadores como “flow” ou fluxo, em português. No flow, nossa atenção está tão focada que todo o resto perde importância. O tempo voa, o ego desaparece e ficamos mais confiantes, capazes e conscientes. “Tecnicamente, o flow é definido como um estado de consciência em que nós sentimos e realizamos o nosso melhor. Toda ação, movimento e pensamento segue inevitavelmente o anterior, sem pausa para questinamentos ou receios. Todo o seu ser está envolvido, e você está usando suas habilidades ao máximo”, diz o psicólogo croata e professor da Universidade de Chicago Mihaly Csikszentmihalyi, 80 anos, que cunhou o termo científico.

O flow está enraizado no cérebro. “O córtex pré-frontal é onde o pensamento acontece. Mas o pensamento produz complexidade e confusão. Flow é o oposto de pensar. Então, para atingir este estado, o córtex tem que ser temporariamente desativado”, diz Steven Kotler, 48, diretor de pesquisa do Projeto Genoma Flow (organização internacional de estudos multidisciplinares que se comprometeu a mapear o genoma do flow até o ano de 2020) e autor do livro The Rise of Superman (Quercus, sem tradução para o português), que se concentra em esportes radicais para explicar o assunto. “O melhor exemplo vem do mundo dos esportes de ação, onde, nas últimas décadas, os melhores atletas têm feito, incoscientemente, uso do flow para ultrapassar barreiras e realizar façanhas mais do que em qualquer outro momento na história da nossa espécie”, diz ele.

No entanto, apesar destes triunfos, esses atletas não têm um monopólio sobre o incrível estado de consciência. Longe disso. Músicos de jazz sentem. Jogadores de videogame e freiras enclausuradas também. Ele é onipresente e pode aparecer em qualquer lugar, em qualquer um, desde que estejam reunidas as condições ideais. “Há trinta anos estudamos o assunto. Já fizemos mais de 8.000 entrevistas, de monges dominicanos a escaladores do Himalaia. E, independentemente da cultura e da educação dos entrevistados, existem sete condições para uma pessoa entrar no flow: excitação, ansiedade, preocupação, apatia, tédio, relaxamento e controle”, diz Csikszentmihalyi. “Uma vez que esses sentimentos tornam-se intensos, aparece o foco, que leva a uma sensação de êxtase e a um sentimento de clareza: você sabe exatamente o que quer fazer de um momento para o outro, e sabe que o que precisa fazer, apesar de difícil, é possível de ser feito. Então, você se esquece de si mesmo e se sente parte de algo maior”.

STATUS 50 - CORPO E MENTE“Nas últimas décadas, os melhores atletas têm feito uso do flow para realizar façanhas mais doque em qualquer outro momento na história da nossa espécie” – Steven kotler

Alcançar este estágio mental, ao contrário do que possa parecer, não ocorre por acaso. É necessário trabalho duro durante um longo período de tempo. Mas a recompensa, segundo pesquisas do próprio Csikszentmihalyi, mostram que “quanto mais os atletas experienciam o flow, mais felizes eles são”. E, além disso, mais eficientes. É o caso do ex-jogador de basquete Bill Russell, que atuava como pivô do Boston Celtics, time da NBA. “O flow é um sentimento difícil de descrever, e eu certamente nunca conversava sobre isso quando ainda jogava profissionalmente”, diz ele. “Quando acontecia eu podia sentir meu jogo subir para outro novo nível. E nesse nível especial todos os tipos de coisas estranhas aconteciam. Era quase como se estivéssemos jogando em câmera lenta. Durante esses períodos, eu podia sentir como a próxima jogada iria se desenvolver e onde o próximo arremesso aconteceria”.

Essa premonição, de saber de antemão a trajetória da bola, ocorre por causa de uma mudança fundamental na química cerebral que acontece durante o flow. No estado, o cérebro libera dopamina, norepinefrina, endorfina, anandamida e serotonina. São químicos indutores de prazer que melhoram o desempenho, mas eles fazem esse trabalho de maneiras muito específica. A dopamina e a norepinefrina, por exemplo, ajustam o foco e melhoram o reconhecimento de padrões, o que nos permite recolher e processar mais informação por segundo.

Eles usam o flow

Quando absorvidos por uma atividade arriscada, atletas radicais liberam substâncias neuroquímicas que os fazem atingir o estado mental, mesmo que inconscientemente

Criatividade Praticar esportes em alto nível é apenas uma das rampas de acesso ao flow. Para escritores, pintores, escultores, dançarinos, músicos etc., a criatividade é a porta de entrada frequente. Cientistas e engenheiros muitas vezes sentem o mesmo. Já os atletas de resistência usam a dor e a exaustão para entrar na zona. Runner’s High, ou o barato da corrida, nome dado a esta experiência, que também aparece na natação, ciclismo, remo, esqui cross-country e quase qualquer outra atividade onde percorrer sofridas e longas distâncias é um fator. A tecnologia oferece ainda mais exemplos. Jogadores de videogame entram no flow com tanta frequência que as ideias de Csikszentmihalyi tornaram-se o referencial teórico mais aceito para explicar a atração pelo joystick. “Colocar jogadores no flow é a chave para o apelo universal dos videogames e tem correlação direta com o engajamento do jogador e até o sucesso global do produto”, diz Kotler. Em um estudo de 10 anos do instituto americano de pesquisas McKinsey Global Institute (MGI), altos executivos relataram ser cinco vezes mais produtivos no flow. Isso significa que, se você passar a segunda-feira no estado mental, poderá tirar o resto da semana de folga e, mesmo assim, terá feito mais do que seus colegas de trabalho que só pensam no próximo fim de semana. “Enquanto a maioria de nós gasta menos do que 5% da nossa vida profissional no flow, se esse número atingisse 20%, de acordo com esse mesmo estudo da McKinsey, a produtividade global no local de trabalho seria quase o dobro. Dados preliminares de um estudo da influência do flow sobre a criatividade, ainda em andamento, feito pelo Projeto Genoma Flow, descobriu que as pessoas relatam ser de 6 a 8 vezes mais criativas neste estado”, diz Kotler.

5 DICAS PARA ENTRAR NO FLOW

Steven Kotler ensina cinco atividades para serem incorporadas à rotina semanal, todas destinadas a aumentar a probabilidade de começar a tropeçar no flow. “Este não é um simples protocolo. Requer cerca de 11 horas de esforço dedicado por semana”, diz ele. “O que pode parecer um desperdício de tempo no momento, acaba por ser uma enorme economia de tempo no final”.

1 – Uma vez por semana: arrisque-se O risco é um gatilho do flow (através de um enorme despejo de dopamina no cérebro). “Pode ser qualquer coisa, desde apresentar-se a um estranho em um supermercado (para os tímidos) ou aprender a saltar de basejump. O objetivo é treinar o cérebro para lidar com o risco, e ser capaz de usar esse despejo de dopamina para dirigir o foco e aumentar o flow”, diz Kotler.

2 – Duas vezes por semana: descanse Faça da recuperação uma prioridade. Oito horas de sono por noite é o ideal. Igualmente importante é adicionar duas sessões de recuperação, como sauna ou massagem, de 30 a 60 minutos. Se isso for impossível, apenas tente tirar algumas sonecas extras durante a semana. “Isso irá ajudá-lo a se mover através do ciclo de flow muito mais rapidamente”.

3 – Três vezes por semana: priorize a paixão A razão de a paixão ser tão importante é neurológica. “Literalmente, prestamos mais atenção às coisas de que mais gostamos e isso cria uma tonelada de flow. Use isso a seu favor”. Três vezes por semana, reserve de 60 a 90 minutos para se concentrar no que mais importa. Durante esse período, bloqueie todas as distrações. Ocasionalmente, pode ser uma tarefa de trabalho (apenas certifique-se de que é um trabalho sobre o qual você esteja realmente animado), um exercício ou um hobby criativo. “A tarefa em si não importa tanto. O que mais importa é como você se sente sobre a tarefa e como você usa esses sentimentos em seu favor”.

4 – Três vezes por semana: foco Esvaziar a mente é a palavra da moda nos dias de hoje, mas isso é apenas uma maneira elegante de dizer que a atenção é importante. O estado exige que toda a nossa atenção esteja direcionada para o momento presente. “A respiração da meditação simples funciona bem, mas eu prefiro outra, chamada técnica da caixa (inspire por 4 segundos; segure o ar nos pulmões por 4 segundos; expire por 4 segundos; e mantenha o ar fora por mais 4 segundos)”. Este é um tipo de treinamento usado pelas forças especiais militares dos EUA, um grupo que precisa de flow para sobreviver. “Ao praticar esse tipo de exercício, você está aprendendo a se concentrar, afastar o pânico e usar essa energia aumentada para ter mais foco”. Comece a fazer três sessões de dez minutos por semana, em seguida, adicione um minuto para cada sessão da próxima semana e assim por diante. A intenção é trabalhar até três sessões de vinte minutos por semana.

5 – Quatro vezes por semana: leia Sabemos que a dopamina leva ao flow. Este neurotransmissor aparece tanto porque ajuda no reconhecimento de padrões, ou seja, junta as informações e as transforma em ideias ou pensamentos. Por exemplo: sabe aquela pequena onda de prazer que se sente quando preenche uma resposta em um jogo de palavras cruzadas? É a dopamina. Mas, para ser capaz de encontrar esses padrões, o cérebro precisa de novas informações. “Quatro vezes por semana, leia pelo menos vinte e cinco páginas de um livro que você normalmente não leria (no mínimo 30 minutos por sessão de leitura). Ao dar a seu cérebro novas informações constantemente, você está alimentando o gatilho do reconhecimento de padrões. Parece simples, mas você vai ficar chocado com a diferença que faz”.