É PARA BEBER OU PARA COMER?

As duas coisas. Com pratos feitos por chefs, os gastropubs e gastrobares são ideais para quem quer comer bem, mas dispensa a formalidade de um restaurante

 

Por Pedro Marques

 

STATUS 51 - APPROACH, ÁGUA NA BOCA

Mesas de madeira, luz baixa, clássicos do rock nas caixas de som e cervejas servidas em copos altos. Essa é a imagem típica de um pub, o tipo de bar mais comum da Inglaterra e de outros países com forte influência da terra da rainha, como Austrália e Nova Zelândia. Nos últimos anos, porém, essa instituição britânica passou por uma reformulação. Em vez de serem ponto de encontro apenas para quem quer tomar um “pint” depois do trabalho, algumas casas passaram a se chamar gastropubs e a oferecer pratos de primeira. “A comida costumava ser toda congelada. Isso quando não serviam apenas pacotinhos com batatas chips”, conta a chef Elisa Hill, que abriu neste ano o gastropub Camden House, no bairro do Itaim Bibi (São Paulo). “Hoje, há chefs muito bons nas cozinhas dos pubs britânicos e a comida é superior, comparável com a de restaurantes”, explica Elisa, que morou por 11 anos na Inglaterra.

No cardápio, há desde os clássicos ingleses – fish and chips e steak pie – em versões caprichadas, até pratos como massas e risotos. A informalidade, característica dos bares londrinos, continua dando as cartas. Ou seja, não espere por uma mesa posta com toalhas de linho e talheres de prata. Em compensação, esse lado um pouco mais simples permite servir pratos a preços mais em conta do que em um restaurante tradicional. E a combinação de bar com gastronomia também chegou aos bares brasileiros. Confira o que tem de bom nesses lugares e aproveite para tomar um “pint” enquanto saboreia pratos que vão além das frituras de bar.

STATUS 51 - APPROACH, ÁGUA NA BOCA

NÃO PERCA

Camden House

STATUS 51 - APPROACH, ÁGUA NA BOCA
Serve clássicos dos pubs ingleses, como fish and chips (R$ 41), e pratos autorais – não deixe de provar a moela do cervejeiro, cozida a vácuo com molho demi-glace e cerveja artesanal (R$ 33). No almoço, o executivo tem entrada, prato principal e sobremesa por R$ 50.
facebook.com/camdengastropub

O’Malley’s Table

STATUS 51 - APPROACH, ÁGUA NA BOCA
Irmão mais novo do tradiconal pub paulistano O’Malley’s, tem cardápio variado, com pratos britânicos (shepherd’s pie, torta de cordeiro picado na faca e cozido em cerveja, R$ 39) e internacionais (pad thai, macarrão de arroz com camarão e temperos tailandeses, R$ 37).
omtable.net

Sobe

STATUS 51 - APPROACH, ÁGUA NA BOCA
Localizado no alto de um casarão restaurado do Jardim Botânico, com vista para o Cristo Redentor e o Corcovado, serve pratos como burrata com pesto de manjericão e flor de sal (R$ 40) e panelinha de camarão ao vinho branco com catupiry (R$ 36).
facebook.com/barsobe

 

NATA TELA

STATUS 51 - APPROACH, ÁGUA NA BOCA

Os pubs são tão incorporados à cultura britânica que é comum ver personagens em séries e filmes nesses estabelecimentos. Mas a comédia Heróis de ressaca (2013) vai além: ela gira 100% em torno dos bares britânicos. Depois de falharem em um pub crawl (espécie de maratona etílica), cinco amigos voltam a sua cidade natal para completar a competição. O que eles não contavam é que terão que impedir uma invasão alienígena para cumprir a missão.

 

Versão brasileira

STATUS 51 - APPROACH, ÁGUA NA BOCA
Assim como aconteceu com os pubs britânicos, surgiram bares no Brasil com uma pegada mais voltada para quem quer comer bem.“A gastronomia é o foco principal, não é só uma comidinha para acompanhar a bebida. Mas com um ambiente mais de bar e bem menos formal que o de um restaurante”, afirma Diego Belda, chef e sócio do gastrobar Goya, na Vila Madalena (São Paulo).

STATUS 51 - APPROACH, ÁGUA NA BOCA